Duas novas espécies de dinossauros descobertas

Em 2010 foram descobertas, no monumento nacional Grand-staircase-Escalante nos Estados Unidos no sul do estado de Utah, duas novas espécies de dinossauros com chifres, em uma escavação liderada pelos paleontólogos Scott Sampson, do museu de historia natural do Utah, e Mark Lowen do departamento de geologia e geofísica  da universidade do Utah. A descoberta dos dinossauros foi anunciada na revista científica online de acesso livre http://www.plosone.org/ .

Os dois novos dinossauros,  Utahceratops getty e Kosmoceratops richardsoni, viviam em um continente “perdido” formado pela inundação da região central da América do Norte, conhecido como Laramidia, quando um um mar raso dividiu as costas leste e oeste da América do Norte e durante cerca de 27 milhões de anos, no período cretáceo. O continente de Laramidia tinha uma área de apenas 20% da América do Norte que conhecemos hoje em dia, contudo tinha muito mais espécies de dinossauros do que Appalachia, seu continente irmão, formado pela massa continental correspondente a costa leste da América do Norte .

O maior dos dois novos dinossauros, com um crânio de 2,3 de metros, foi chamado  de Utahceratops getty, com a primeira parte do nome sendo uma combinação do estado de origem dos fósseis com a palavra grega ‘ceratops’ que significa “cara com chifres” que é comum aos dinossauros herbívoros deste grupo chamado ceratopsídeos. Já a segunda parte do nome homenageia Mike Getty, o gerente das coleções de paleontologia do museu de historia natural do Utah e descobridor do dinossauro. O Utahceratops getty é conhecido a partir de seis espécimes, incluindo dois crânios parciais que juntos preservam cerca de 96% do crânio original. Além de um grande chifre no nariz, o Utahceratops  tinha chifres mais curtos e achatados sobre os olhos que eram apontados para os lados e não para cima muito, portanto, mais similares aos chifres de um bisão moderno.  Mark Lowen co-descobridor dos dinossauros comparou o Utahceratops  a um “rinoceronte gigante com uma cabeça anormal”.

              O segundo dos dois ‘novos’ dinossauros, recentemente descritos, é o Kosmoceratops richardsoni, cuja a primeira parte do nome combina a palavra “kosmos“, palavra latina para ornamentado, e, mais uma vez, o termo “ceratops“; enquanto a ultima parte parte do nome serve como homenagem a Scott D Richardson, um voluntário envolvido na descoberta dos dois crânios do dinossauro.

      O Kosmoceratops é conhecido a partir de quatro espécimes, incluindo um crânio quase completo. Assim como o Utahceratops, o Kosmoceratops  tem dois grandes chifres  sobre os olhos projetados para os lados mas que são muito maiores do que os do Utahceratops. O Kosmoceratops tinha ao todo quinze chifres um sobre cada “bochecha”, um sobre cada um dos olhos e dez chifres distribuídos em toda a margem da borda óssea do crânio, além de um chifre sobre o nariz que, em conjunto, o tornam o dinossauro mais ornamentado conhecido.

_______________________________________________

Referências:

Boa parte do material foi retirado do blog Scott D Sampson e da matéria postada na revista online PLOS One.

Créditos das Imagens:

As imagens utilizadas foram retiradas do post de Scott Sampson dinossauros, inclusive as imagens do crânio e as reconstruções das cabeça que foram executada pelo colaborador Italiano dos autores do trabalho, Lukas Panzarin. A reconstrução do Cretáceo Superior da América do Norte por Ron Blakey.

Leia também

Nenhum comentário até o momento

  • Anônimo 25 de abril de 2013  

    Não me canso de admirar esses épicos na aventura do conhecimento. Maravilhoso !

Deixe um comentário