Para acessar os artigos relatando e analisando a descoberta de 1500 fósseis, encontrados em um sistema de caverna sul africano e atribuídos a nova espécie humana, Homo naledi, veja aqui e aqui.

Um espaço para agregar ciência e filosofia sobre evolução biológica. Contribua!

Os humanos ainda estão evoluindo? Com certeza!

Pare um pouco. Não vá com tanta sede ao pote. Antes de continuar, pergunte a você mesmo: o que é "evolução" na ciência? O que significa dizer que os humanos ainda estão evoluindo? É que as pessoas estão ficando melhores, mais inteligentes, mais astutas, menos tolas ao votar nos senadores? Nada disso. Evolução não é melhoria. Evolução não é progresso. Para ser mais exato, na verdade evolução pode ser melhoria e progresso, mas não é. Confuso?

O caso é que melhoria e progresso são conceitos bastante frouxos e relativos, e só por isso já não servem para a ciência. São conceitos ligados ao modo como enxergamos o que é bom e o que é ruim, e como bem sabemos, o lixo de alguém pode ser o luxo de outra pessoa, e existem na história da filosofia diversas formas de enxergar a moral. Em geral os filósofos dedicam seu pensamento nessa questão a uma área de investigação filosófica chamada Ética ou Filosofia Moral. Pergunte a um filósofo o que é bem e mal (e melhoria nada mais é que o avanço do bem sobre o mal), e você provavelmente receberá outras perguntas como resposta: "Depende. De acordo com Platão? Ou Epicuro, ou Spinoza, ou Kant... (etc. etc.)?"


Em poucas palavras, melhoria e progresso são objeto de estudo da filosofia, não da ciência.


Evolução, do latim evolvere (desdobrar-se), não é nada disso na biologia. Mark Ridley a define no glossário do livro Evolução:


Darwin definiu-a como "a descendência com modificações". É a mudança, entre as gerações, nas linhagens das populações. [Ênfase acrescentada.]



Você não vai encontrar a palavra "evolução" em nenhum lugar do livro Da origem das espécies de Charles Darwin. O que ele chamava de "descendência com modificação" é, portanto, o que chamamos hoje de evolução, como Ridley lembra. Evolução é mudança, modificação, causada principalmente pela seleção natural (a sobrevivência não aleatória de variedades que surgem casualmente). E como as características dos seres vivos estão fundamentadas principalmente nos genes, evolução então é a mudança nos genes? Não exatamente. Mudança nos genes por si só é mutação. Evolução seria então a diferença na persistência de mutações diferentes, ou variedades diferentes de genes, ao longo das gerações.

Como existem mutações favoráveis para a sobrevivência (como a mutação de uma família de italianos que evita que o colesterol se acumule em suas artérias) e mutações desfavoráveis para a sobrevivência (como as que causam os fetos anencéfalos), necessariamente nem todas as variedades de genes persistem com o passar das gerações. As frequências (ou seja, porcentagens) dos genes mudam. Existem técnicas genéticas para detectar se a evolução está acontecendo.

Voltemos então à pergunta: os humanos ainda estão evoluindo? As linhagens das populações humanas estão se modificando? A frequência dos genes humanos está mudando?

Stephen Stearns, um biólogo da Universidade de Yale, se juntou a outros cientistas para responder a esta pergunta. Seus resultados foram publicados pela revista científica PNAS, e dizem sim.


O estudo mostra que, por mais que a Medicina trabalhe para amenizar o resultado das mutações desfavoráveis, o Homo sapiens está sim evoluindo e sendo moldado pela seleção natural, talvez até nas mesmas taxas evolutivas de outros seres vivos.


ResearchBlogging.orgOs pesquisadores analisaram características importantes para a saúde humana em dados de uma pesquisa realizada durante 60 anos com 2000 mulheres dos Estados Unidos, e descobriram, através do número de filhos de cada uma das mulheres, que a diferença neste número mostra que a seleção natural está favorecendo mulheres um pouco mais baixas, mais gordinhas, com menores níveis de pressão sanguínea e colesterol, que têm filhos quando estão mais novas, e que atingem a menopausa mais tarde.


Em suma, a evolução está acontecendo nos humanos, e, segundo o estudo, em taxas que são de médias a baixas, o que só corrobora resultados anteriores em outras áreas como a genética molecular.


Agora discuta com seus amigos: isso é melhoria? Depende, diz o filósofo: você gosta de mulheres baixinhas e cheinhas?


(Lembrando que se a seleção natural persistir neste caminho nos Estados Unidos, não significa que esteja na mesma rota no resto do mundo. Como todo biólogo sabe, é o meio-ambiente que determina para onde vai a seleção natural.)



__________
Referências


Ridley, M. Evolução. Artmed, 2006.


Byars, S., Ewbank, D., Govindaraju, D., & Stearns, S. (2009). Natural selection in a contemporary human population. Proceedings of the National Academy of Sciences, 106 (42) : doi: 10.1073_pnas.0906199106


Créditos das imagens
- Feto: NEIL BROMHALL / SCIENCE PHOTO LIBRARY
- Evolução humana: BILL SANDERSON / SCIENCE PHOTO LIBRARY

Exibições: 7024

Comentar

Você precisa ser um membro de Evolucionismo para adicionar comentários!

Entrar em Evolucionismo

Comentário de Eli Vieira em 22 outubro 2009 às 19:39
Henk, I coudn't agree more.

Your comment reminds me of the book "Kluge", by the evolutionary psychologist Gary Marcus.

I didn't want to use that old and plain wrong image of a line from a monkey to a man. This seemed to me a little more suitable. But I agree: it still looks smug and apart from reality.

Cheers!

© 2017   Criado por Eli Vieira.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço