Para acessar os artigos relatando e analisando a descoberta de 1500 fósseis, encontrados em um sistema de caverna sul africano e atribuídos a nova espécie humana, Homo naledi, veja aqui e aqui.

Um espaço para agregar ciência e filosofia sobre evolução biológica. Contribua!

Algumas dezenas de milhões antes da 'explosão cambriana' (veja 'A Explosão Cambriana: Uma introdução', 'A explosão cambriana. Parte II: Rápida, mas nem tanto assim!' ,' O 'pavio filogenético' e a 'explosão cambriana' não se fundem.', 'A Explosão Cambriana', 'De volta ao cambriano: Dividindo o evento,', 'Conheça os fósseis dos primeiros animais com ‘esqueleto’ (via Revis...'), os oceanos da terra eram habitados por um grupo de animais bastante diferentes daqueles que estamos acostumados (e dos quais nós mesmos fazemos parte) formando aquilo que se convencionou chamar de 'biota de Ediacara'.

Ao lado uma reconstrução dos ramos e 'folhas' dos rangeomorfos, um grupo de animais que viveram durante o período Ediacarano (635-541.000.000 anos atrás), feita a partir de modelos matemáticos do crescimento e desenvolvimento destes animais. [Crédito: Jennifer Hoyal Cuthil] [1]

Esta biota representa um marco na evolução da vida multicelular complexa e é entre seus representantes que encontramos os primeiros organismos mais complexos de corpo mole. Entre as criaturas ediacarianas estão esponjas e cnidários, mas também vários grupos considerados 'problemáticos', representados tanto por macrofósseis como microfósseis [2]. Embora alguns desses fósseis sejam tradicionalmente considerados como os restos de precursores de animais do Cambriano (e portanto de alguns grupos modernos), outros têm sido encarados como pertencentes a grupos completamente extintos, 'uma experiência evolutiva que não deu certo' pelo menos frente as mudanças de condições ambientais que viriam depois e que teriam sido o gatilho da 'explosão cambriana'.

Os Rangeomorfos, que constituem esta parte mais bizarra da biota de Ediacara, viveram há cerca de 575 milhões de anos e seus representantes, em sua maioria, tinham por volta de até 10 cm de altura, com alguns poucos, entretanto, chegando a cerca de de 2 metros. Eles habitavam o fundo dos oceanos deste período e possuíam estruturas ramificadas compostas por partes macias que davam origem outros ramos laterais menores que davam origem a outros ramos ainda menores e assim por diante. Exibiam, portanto, um padrão fractal, isto é, sua organização corporal básica era formada por estruturas semelhantes que tendem a re-ocorrer em várias escalas diferentes. Estas diferenças em relação aos animais 'modernos' tornaram muito difícil a determinação de como estes animais do Ediacariano alimentavam-se, cresciam e se reproduziam, o que entre outros problemas torna muito difíceis os esforços de identificação das relações de parentesco destes animais com qualquer outro grupo de animais modernos. Portanto, o parentesco exato destes organismos entre eles e com outros grupos modernos ainda está é bastante incerto, mas muitos pesquisadores concordam que eles exibem uma ampla gama de morfologias, sugerindo pertencerem a diferentes grupos na base da árvore da vida animal, isto é, na filogenia dos metazoários.

Acima estão alguns dos possíveis padrões de relacionamento evolutivo entre os diferentes tipos de animais de Ediacara, que estão na base da árvore de vida animal. As linhas pontilhadas representam o intervalo provável em que viveu um determinado grupo de animais e as linhas sólidas representam a evidência fóssil. Os grupos extintos (taxa) são representados por uma cruz circundada. (Esta figura foi modificado da figura de Xiao e Laflamme, Peterson et al e Dunn et al que está disponível no site do Museu Real de Ontário sobre o folhelho de Burgess Shale) [2].

Agora, um novo estudo publicado por Jennifer Hoyal Cuthil e Simon Conway Morris, apresenta reconstruções tridimensionais construídas a partir de um modelo matemático de 11 táxons deste  grupo que mostram como alguns destes animais deviam crescer e desenvolver-se, fornecendo algumas respostas sobre o porquê eles foram extintos [2]. Essa radiação adaptativa de morfologias fractais que deu origem a essa fauna provavelmente foi possibilitada por que este padrão geométrico maximiza a área de superfície corporal, o que é consistente com o padrão alimentar destes animais que os pesquisadores acreditam ter se dado por meio da absorção de nutrientes por difusão, a osmotrofia [1, 2].

Abaixo um vídeo com uma das reconstruções.

Assim, como defendem os autores do estudo [2], os Rangeomorfos devem ter sido otimamente adaptados às condições prevalentes nos oceanos do Ediacariano, que incluíam a baixa competição e o alto teor de nutrientes dissolvidos naquelas águas. Porém, com a 'explosão cambriana' (que ocorreu a partir de 541 milhões de anos atrás, mas que teve seu auge por volta de 530 milhões de anos atrás), as mudanças nas condições ecológicas e geoquímicas acabaram por levar à extinção dos Rangeomorfos que deram lugar aos organismos modernos com seus padrões corporais, metabólicos e modos de vida que estamos familiarizados [3].

--------------------------

Referências:

  1. How some of the first animals lived - and died, University of Cambridg Research News, 11 Aug 2014.
  2. Enigmatic Ediacarans The Burgess Shale, acessado em 12 de agosto de 2014.
  3. Cuthill, Jennifer F. Hoyal and Conway Morris, Simon Fractal branching organizations of Ediacaran rangeomorph fronds reveal a lost Proterozoic body plan. PNAS, August 11, 2014 DOI: 10.1073/pnas.1408542111

Exibições: 1154

Comentar

Você precisa ser um membro de Evolucionismo para adicionar comentários!

Entrar em Evolucionismo

Comentário de Rodrigo Véras em 19 setembro 2014 às 11:17

Obrigado pelos comentário, Luiz e Pedro.

Luiz, entendo usa exasperação com relação ao FaceBook. Por vezes, me sinto assim também.

Grande abraço,

Rodrigo

Comentário de LUIZ SERGIO DADARIO em 18 setembro 2014 às 10:44

Rodrigo, a tempos eu não acessava o Evolucionismo e vejo agora que você é de fato dedicado como sempre foi. Não está sendo fácil para mim remar contra a corrente o tempo todo no meu Face onde tenho de pensar em tudo e fazer algumas concessões para não transmitir aos leitores a sensação ( falsa) de que sou representante de algum tipo de fundamentalismo irracional, mas penso que algum grau de ironia e agressividade, dentro de determinados limites, se faz necessário para tentar colocar em evidência as contradições a que estamos sujeitos em nosso modo de agir e pensar quando nos falta o tempo e o interesse para ler a respeito das teorias científicas já bem consolidadas e principalmente do tema da evolução. Quanto aos seres fractais, e este é apenas um dos exemplos, não há como não admirar e comtemplar a inventividade da natureza em suas produções. Feliz de estar por aqui como nos velhos tempos. Abraço.

Comentário de Pedro Vitor Saint-Clair Freitas em 26 agosto 2014 às 22:58

Sempre penso na biota ediacarana! 
Essa semana mesmo, estava pensando sobre o assunto. 
Excelente artigo! 

© 2017   Criado por Eli Vieira.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço