Para ler o manifesto manifesto da Sociedade Brasileira de Paleontologia sobre a validade da Evolução Biológica e seu ensino nas escolas do país clique aqui

Um espaço para agregar ciência e filosofia sobre evolução biológica. Contribua!

Sou novato por aqui e possivelmente o tema que levanto ja tenha sido comentado...mas, sinceramente confesso que não consigo explicar a existencia dos tipos sanguíneos à luz da Evolução...qual o sentido evolutivo deles?

Exibições: 4296

Responder esta

Respostas a este tópico

Oi, Ronaldo. Desculpe a demora. Como respondi no formspring uma pergunta sobre o mesmo tópico vou simplesmente repostá-la por aqui, como começo da discussão, apenas para termos um contexto mais geral:

O sistema ABO é um sistema herdável de antígenos de superfície, caracteristicamente, presentes nas membranas de células sanguíneas, associado a presença de certos tipos de açúcares, como a N-acetil-galactosamina (no caso do tipo A) e a galactose (no tipo B) ou, sua ausência, como no caso do tipo O. A presença ou ausência destas moléculas é resultante da ação de enzimas específicas, cujos genes é que são diretamente herdados e, portanto, os responsáveis por este tipo de polimorfismo.
Estas duas moléculas (N-acetil-galactosamina e a galactose), por sua vez, estão associadas a um esqueleto de açúcares ainda mais complexos formado por pela N-acetilglucosamina, fucose e D-galactose. Esta base de carboidratos (H) quando não é acrescida de N-acetil-galactosamina ou da galactose é o que constitui o antígeno O. O Sistema ABO é apenas um dos vários sistemas de antígenos de superfície. Estes são, geralmente, caracterizados pela expressão (ou não) de glicoproteínas (e glicolipídios) de membrana e enzimas capazes de acrescentar determinados tipos de açúcares a estas proteínas e lipídios.

O locus associado ao sistema ABO está localizado no cromossomo 9 e é formado por um gene que contém 7 exons, estendendo-se por cerca de 18 kb. O gene codifica enzimas chamadas de glicosiltransferases que, como o próprio nome diz, transferem um açúcar para o esqueleto H ligando-o a uma D-galactose terminal. A versão deste gene responsável pelo antígeno A (o alelo A, portanto) liga, à D-galactose terminal do antígeno H, uma α-N-acetil-galactosamina, produzindo o antígeno A. O alelo B, por sua vez, codifica uma outra glicosiltransferase que une à D-galoctose terminal outra α-D-galactose, criando o antígeno B.
Como já mencionado, quando nenhum dos alelos A e B estão presentes fica apenas o esqueleto de carboidratos H, dando origem ao antígeno O. Este fenótipo bioquímico é resultado de uma única mutação no exon 6 do gene que codifica a glicotransferase que diverge, em apenas um nucleotídeo, da versão do gene que produz o alelo A, uma guanina na posição 261. Isso ocorre por que esta deleção provoca aquilo que os geneticistas chamam de “frameshift mutation” - uma mudança no marco de leitura do gene que faz com que durante a tradução os códons sejam lidos de forma errada - o que tem como resultado a tradução de uma proteína muito diferente, que não possui atividade enzimática.

Como somos diplóides (isto é, temos duas cópias por locus de cada gene) cada um de nós pode exibir uma
das diversas combinações diferentes destes alelos produzindo os padrões típicos: A(A/A e A/O), B (B/B e B/O), O (O/O) e AB (A/B).
As reações transfusionais têm relação com o reconhecimento pelo sistema imune de certos antígenos que não fazem parte dos produzidos por cada indivíduo como sendo “não-próprios” e, concomitante, produção de anticorpos contra eles. O interessante é que, mesmo sem termos contato direto com estes outros antígenos, possuímos anticorpos contra os antígenos de outros grupos diferentes do nosso, talvez por que alguns tipos de alimentos e microorganismos exibam em suas superfícies padrões moleculares semelhantes aos do sistema ABO e o que ocorre é uma reação cruzada casual.

Os sistemas de carboidratos de superfície típicos do sistema ABO, presentes principalmente nas células vermelhas do sangue, têm papéis variados, além dos imunológicos, associados a homeostasia das membranas celulares, adesão celular, transporte de moléculas através da membrana e na ligação de moléculas e transdução de sinal, funcionando como receptores para ligantes extracelulares. Algumas dessas funções são também desempenhadas em células epiteliais, além dos glóbulos vermelhos.

http://en.wikipedia.org/wiki/ABO_blood_group_system

A origem e evolução deste sistema de antígenos começa mesmo antes da origem de nossa espécie já que partilhamos alguns dos alelos deste sistema com outros primatas. A idéia central que é bem ilustrada pelo exemplo do sistema O - cujo genoma dos portadores deste sistema divergem em apenas um nucleotídeo em relação aos portadores do antígeno A – é que um sistema tenha derivado do outro por mutações, como fica claro no caso A/O em que o sistema O origina-se do A. As evidências apontam para uma origem mais ancestral do sistema A que é comum em vários grandes primatas, seguido pela origem do antígeno O, muito raro em outros primatas e, apenas mais tarde, o aparecimento do B, muito provavelmente, a partir de uma mutação na glico-transferase que codificada pelo alelo A.

http://www.formspring.me/Evolucionismo/q/1299147226

Outra possibilidade é que o antígeno O tenha origem múltipla surgindo, pelo menos três vezes, através de mutações independentes do alelo A e de variantes mais tardias deste alelo. Enquanto as diferentes variantes de B derivem de uma versão B ancestral. Estes mesmos estudos sugerem que a manutenção dos diversos alelos do sistema ABO estariam associadas a seleção balanceadora, envolvendo vantagens aos heterozigotos para este sistema.

Calafell, Francesc; et al. (2008). Evolutionary dynamics of the human ABO gene. Human Genetics 124 (2): 123–135. doi:10.1007/s00439-008-0530-8. PMID 18629539. http://www.springerlink.com/content/yv4072vu67mv1166/fulltext.html.

http://facstaff.uwa.edu/jmccall/evolution_of_the_human.htm
http://anthro.palomar.edu/vary/vary_3.htm

Abraços,

Rodrigo

Reproduzido de http://www.formspring.me/Evolucionismo/q/1686068446

Créditos figuras:

Via Science Photo Library (autor: DAVID NICHOLLS)

Via wikicommons: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/ce/ABO_blood_group_... (autor:InvictaHOG)

Via wikicommons: http://commons.wikimedia.org/wiki/File:ABO_system_codominance.svg (autor:YassineMrabet)



Responder à discussão

RSS

© 2014   Criado por Eli Vieira.

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço